16 de novembro de 2010

AJURIs e JAMBOREEs NACIONAIS NO BRASIL - Suas Histórias e Cronologia.

PRIMEIROS ACAMPAMENTOS NACIONAIS DO BRASIL.

Por Raoni Pinheiro

Conhecendo um pouco do início do movimento Escoteiro e a vinda para o Brasil até sua formalização.

Como é de conhecimento de todos os escoteiros e apreciadores, o movimento escoteiro “Scouting for Boys” foi fundado pelo Lorde Robert Stephenson Smyth Baden-Powell, mais conhecido por Baden-Powell ou simplesmente B-P, em 1907, Londres, Grã-Bretanha, com o intuito educacional, voluntariado, apartidário, sem fins lucrativos.

Tinha como propósito o desenvolvimento do jovem, por meio de um sistema de valores que prioriza a honra, baseado na Promessa e na Lei escoteira, e através da prática do trabalho em equipe e da vida ao ar livre, fazer com que o jovem assuma seu próprio crescimento, tornar-se um exemplo de fraternidade, lealdade, altruísmo, responsabilidade, respeito e disciplina.

Comprovando sua teoria e eficiência do “sistema de patrulhas” e a atração que os acampamentos e as atividades ao ar livre exerciam nos jovens, no primeiro acampamento escoteiro, propriamente dito, em 01 de agosto de 1907, na Ilha de Brownsea, Inglaterra.

Nota Histórica: Naquele ano muitos Oficiais e Praças da Marinha Brasileira estavam na Inglaterra para treinamento e preparava-se para guarnecer os novos navios da esquadra brasileira em construção, pois em 1907 tinha sido formada a Tríplice Aliança e a Tríplice Entente e aumentou o clima de tensão entre as grandes potências, já se mostrava inevitável um grande conflito. Os países procuram então organizar os exércitos, produzir armamentos e fazer acordos entre si para garantir força na disputa que veio a estourar em 1914 com a 1° Guerra Mundial.

Voltando ao escotismo, esses Oficiais e Praças da Marinha Brasileira se encantaram e se impressionaram com esse novo método de educacional complementar que Baden Powell havia idealizado. O Suboficial Amélio Azevedo Marques ingressou seu filho, Aurélio Azevedo Marques, em um Grupo Escoteiro local, pode-se assim dizer que ele foi o primeiro escoteiro brasileiro.


Por interposição desses marinheiros brasileiros em 1910, o escotismo foi introduzido no Brasil, trouxeram consigo uniformes escoteiros, no valor de 30 libras esterlinas, e o interesse de semear o movimento escoteiro no país. Em 14 de junho de 1910, no endereço Rua do Chichorro, bairro do Catumbi, n° 13, Rio de Janeiro-RJ (ver Mapa), reuniram-se numa casa, formalmente, todos interessados pelo escotismo e embarcados nos navios que haviam chegado ao Brasil. Naquele local foi oficialmente fundado o “Centro de Boys Scouts do Brasil”.

Dois anos depois em 29 de novembro de 1914, foi fundada a ABE - Associação Brasileira de Escoteiros, em São Paulo, em 1919 no mesmo estado foi criada a Associação Brasileira de Escoteiros Católicos, essa foi a primeira a ter reconhecimento internacional em 1922, se filiando ao “Office Internacional des Scouts Catholique”, com sede em Roma, em 1921 é fundada no Rio de Janeiro a Confederação Brasileira das Escoteiros do Mar, em 1922 também no Rio de Janeiro foi criada a Federação Brasileira de Escoteiros de Terra, e a Associação Fluminense de Escoteiros, esta ultima liderado pelo ilustre Capitão Tenente Benjamin Sodré, futuramente Almirante.

Em aproximadamente sete anos o escotismo no Brasil se expandiu ferozmente, nos anos de 1914 à 1922 foram criadas muitas outras Associações como: Associação Pernambucana de Escoteiros; Associação de Boys Scouts de Vitória; Comissão Regional de Escoteiros do Paraná; Associação Paranaense de Escoteiros; Legião Amazonense de Escoteiros, Grupo Escoteiro do Fluminense Football Club no Rio de Janeiro, Associação Maranhense de Escoteiros, Liga de Defesa Nacional, Associações de Escoteiros do Rio Grande do Sul, Associações de Escoteiros do Paraná, Associações de Escoteiros do Bahia, Associações de Escoteiros do Pernambuco e Associações de Escoteiros do Alecrin.

Só em 04 de novembro de 1924, na sede do Clube Naval no Rio de Janeiro, foi fundada a UEB - União dos Escoteiros do Brasil. A UEB foi criada por iniciativa da Confederação do Escoteiros do Mar, Associação de Escoteiros Católicos, Federação do Escoteiros do Brasil e Federação dos Escoteiros Fluminenses, este ultimo liderado pelo ilustre Capitão Tenente Benjamin Sodré, futuramente Almirante, junto com o Pe. Leovegildo Franca e o Dr. João Evangelista Peixoto Fortuna, estes foram o que sugerirão o nome da nova instituição. Seu trabalho era de unificar os grupos e núcleos escoteiros dispersos no país. A Associação Brasileira de Escoteiros ficou de fora só sendo integrada a UEB em 1928 a pedido direto de Baden-Powell.

Foi nesse mesmo ano de 1928 que a UEB fora reconhecida como instituição de utilidade pública e como dirigente do Escotismo Nacional pelo Governo Federal, tendo como primeiro Presidente o Ministro da Justiça Affonso Penna Júnior, em março de 1945 é realizado a primeira Assembléia Nacional Escoteira, da unidade ‘UEB’, no ano de 1946, a UEB é reconhecida pelo Governo Federal como instituição destinada á educação extra-escolar. É só na 6º Assembléia Nacional Escoteira, em 22 de abril de 1950, que se consolidaliza a completa integração do Movimento Escoteiro no Brasil, todas as federações, desfazendo a tradicional trindade (terra, mar e ar); e surgiram as modalidades, Básica, Mar e Ar. Tendo seus novos estatutos formalizado/aprovados, na Assembléia Nacional Escoteira de 1956.



Origens terminológicas Jamboree e Ajuri?
  
Compreender o significa dessas duas palavras (acampamentos) no Brasil, é algo que desfere muito “disse me disse”; precisa-se resgatar essa história, dos poucos achados podemos tirar algumas conclusões e parâmetros.


A origem do nome Jamboree:

No dicionário a palavra Jamboree é o encontro de escoteiros(acampamento) com o intuito de unir jovens de todo o mundo.

Já Baden-Powell deu várias versões para a utilização deste termo:

     • jamboree seria a união de "jam" (que em inglês significa compota, uma mistura de açúcar e frutos muito apetitosa, mas que aqui teria o significado de mistura de raças e culturas) com "boree" (o vento que sopra e mistura essas culturas).

     • jamboree seria uma palavra zulu, que significaria "encontro oficial dos chefes das tribos" ou apenas "encontro de pessoas".

Na gíria americana (desde o séc. XIX), a palavra jamboree significava "divertimento ruidoso", "folia" ou "farra". A partir de 1920, após Baden-Powell a usar para denominar um gigantesco encontro de escoteiros, esta palavra começou a entrar nos dicionários sempre associada ao escotismo. A forte ligação de Baden-Powell aos fundadores do escotismo nos Estados Unidos, William Boyce, Dan Beard, Ernest Seton e James West, poderá ter motivado a escolha desta palavra.

Em linguagem Swahili (África), "jambo" significa "olá", sendo que "jamboree" poderá ser um ajuntamento de pessoas dizendo "olá" umas às outras.

Em 1916 B-P nomeou um Comitê de Planejamento. Os termos rally ou exibição não interessavam mais a BP. Algo mais pitoresco seria necessário. Optou então pela palavra de origem Americana Jamboree, termo que tinha ouvido durante suas viagens àquele país. - Mas o Sr. não pode usar essa palavra. O Sr. já viu sua definição no dicionário “jamboree - ( gíria) uma arroaça, festança barulhenta, festa acompanhada de bebedeira." Enquanto sua definição não era muito dignificante, BP gostou da palavra, e sem outra sugestão melhor, optou então por JAMBOREE. O comitê do Jamboree foi formado em 26 de Julho de 1916 para realização de um Jamboree Imperial e Internacional em 1918 (desde que a guerra terminasse em 1917). O 1º. Jamboree acabou ocorrendo somente em 1920 em Olympia, Londres.

Textos de Baden Powell: "Comentando sobre Jamboree, é engraçado quantos críticos aparecem quando se faz uma sugestão. Um nos escreve agora - ' Por que raios usar um termo como Jamboree'? Minha única resposta foi: "Bem, qual outra palavra teriamos para usar"? Não obtive resposta. Headquarters Gazette, Junho 1920. "Eu gostaria de solicitar-lhes (no Jamboree) que não fiquem satisfeitos com o mero fato de nossos meninos estarem acampando com meninos de outras nações, mas que devemos encorajá-los a usar cada minuto de seu pouco tempo ali, para conhecer outros meninos, e a partir de amizades com seus irmãos escoteiros, tornar-se-ão futuros cidadãos fraternos do mundo." Cada menino portanto, poderia retornar do Jamboree com uma responsabilidade, o de apóstolo da paz e boa vontade, no seu respectivo distrito. Jamboree 1929 - Arrow Park, Inglaterra.


A origem do nome Ajuri:

Por ser uma palavra de origem indigna não há significado no dicionário, entendesse por Ajuris as atividades escoteiras com a escopo na concentrações Tropas/Patrulhas/Grupos distritais, regionais ou nacionais, com o fim de confraternização ou em comemoração a qualquer data ou fato.

A palavra é de origem tupi, tem como sinônimos, muxirão, mutirão, batalhão, corte, junta, mutirom, mutirum, relacionado com a reunião de tribos ou famílias indígenas para a execução de certos trabalhos ou tarefas. Mais detalhado seria sinônimo de Mutirão que tem seu termo de origem tupi de etimologia obscura, e é o nome dado no Brasil as mobilizações coletivas para lograr um fim, baseando-se na ajuda mútua prestada gratuitamente. É uma expressão usada originalmente para o trabalho no campo ou na construção civil de casas populares, em que todos são beneficiários e, concomitantemente, prestam auxílio, num sistema de rodízio.

Atualmente, por extensão de sentido, "mutirão" pode designar qualquer iniciativa coletiva para a execução de um serviço não remunerado.

Os acampamentos nacionais AJURIs podem ser distinguidos em Ajuri Nacional Escoteiro (Escoteiros da modalidade Básica), Ajuri Nacional dos Escoteiros do Mar(Escoteiros da modalidade do Mar) e Ajuri Nacional dos Escoteiros do Ar(Escoteiros da modalidade do Ar), estaremos proseando por enquanto das atividades da modalidade básica, mais a frente veremos as outras modalidades.

No livro “Para ser Escoteiro de 1ª. Classe” de 1963 do autor Francisco Floriano de Paula ele diz que “Adotou-se no Brasil desde 1922 a terminologia Ajuri, usando a tradição pelas palavras em tupi-guarani. Na década de 90 a UEB decidiu optar pela terminologia internacional, e cunhado pelo próprio BP de Jamboree. Os Ajuris passados eram nacionais e portanto Jamborees Nacionais. Hoje o acampamento Nacional denomina-se Jamboree. Mas veja, os Escoteiros do Mar ainda estão usando a palavra AJURI”.
  

Ajuris Escoteiros e Jamborees Nacionais no Brasil.

A Associação Escoteira Católica realizou no Rio de Janeiro em 1922, o que eles intitularam de o 1° Congresso Nacional Escoteiro e paralelamente o 1° Acampamento Nacional(Jamboree ou Ajuri?), esse ultimo, oriundo da idéia do chefe Gabriel Skinner dada um ano antes, como a primeira atividade nacional escoteira do país, que tinha com o intuito reunir todos os escoteiros do Brasil para uma grande atividade de entrosamento e confraternização, atividades estas que se repetiram no ano conseguinte, 1923; com a participação de representantes do Distrito Federal, da ABE de São Paulo, Associação dos Escoteiros do Pará, Liga Amazonense de Escoteiros, Associação de Escoteiros do Alecrim - RN.

Já entra a primeira contradição, logo após a atividade foi editado o "LIVRO DOS CONGRESSOS ESCOTEIROS DO BRASIL – 1922-1923. PRIMEIRO E SEGUNDO JAMBOREES BRASILEIROS. THESES E RELETÓRIOS". O Tomo I da História do Escotismo Brasileiro dedica o Capítulo VI aos CONGRESSOS E JAMBOREES realizados até 1924. Entretanto o autor Francisco Floriano de Paula, fala que o Ajuri foi usado no Brasil em 1922, e a única atividade conhecida nessa data foi essa atividade realizada pela Associação Brasileira de Escoteiros Católicos, que eles nomenclam de Jamboree.

O Escoteiro-Chefe da UEB(1976-1989) e Prof. Rubem Süffert no seu artigo “HISTÓRIA DO ESCOTISMO NO BRASIL” impresso no site da UEB/DF, também defende a tese de que em 15 de abril a 11 de maio de 1922, foi realizado o 1° Ajuri Escoteiro Nacional, desdobrado em duas partes: uma técnica realizada no Campo de Sant’Anna e outra esportiva no Estádio do Fluminense.

Entre 17 e 25 de junho de 1939 na Quinta da Boa Vista – RJ foi realizado o 1° Ajuri Inter-Estadual, com a presença do Presidente da República Getulio Vargas e com a participação de 4.000 escoteiros de varias regiões como ES, PA, PE, MG, RJ, RS, SC e SP, por ter sido uma grande atividade, erroneamente muitos autores, descreve como Ajuri Nacional. Nessa atividade foi rodado o curta-metragem “ACAMPAMENTO DE ESCOTEIROS”, dirigido por Humberto Mauro, e produzido por INCE - Instituto Nacional de Cinema Educativo.

Seguindo uma sequência na linha temporal, pode-se dizer que o Ajuri de 1939 foi o 2° Ajuri Nacional de Escoteiros do Brasil, mais o 1° Ajuri Nacional realizado pela Instituição ‘UEB’, mesmo sendo realizado como Ajuri Inter-Estadual, pela amplitude do acampamento e terem 8 estados representado de todas as regiões do Brasil, muitos apóiam essa tese, pois ate mesmo no ano de 2009 foi comemorado 70 anos do “1° Ajuri Nacional na Quinta da Boa Vista – RJ”.

Fique por dentro: “A Federação Brasileira de Escoteiros de Terra iniciou a edição do seu periódico oficial, ‘Ajuri’, a partir de 1939, em conjunto com a Federação Carioca de Escoteiros.”



2ª Ajuri Nacional - 1957 - Foto de Moacir Starosta

Em comemoração ao centenário de nascimento de B-P e os 50 anos da fundação do Escotismo, a UEB realizou em fevereiro de 1957 no bairro de Tubiacanga, na Ilha do Governador Zona Norte do Rio de Janeiro, o II Ajuri Nacional, cuja a Canção “AJURI NACIONAL” composta pelo Chefe João Ribeiro dos Santos, falecido em 19/03/1970, aos 59 anos, é lembrada até hoje nos cancioneiros escoteiros.


João Ribeiro dos Santos
 Canção do Ajuri Nacional do Rio de Janeiro - 1957
Compositor: João Ribeiro dos Santos 
|
Viemos do norte, do sul e do leste,
Viemos do oeste, de todo Brasil.
Das praias, dos pampas, dos campos dos montes
E dos horizontes de todo Brasil.
Das grandes cidades, das vilas mais belas,
Das casas singelas de todo Brasil.
Mochila nas costas bandeiras ao vento
Para o acampamento de todo o Brasil
||
O Ajuri Nacional, do Rio de Janeiro,
É o marco triunfal do ano escoteiro,
Comemoramos o centenário de Baden Powel o fundador,
E do escotismo o cinqüentenário,
Do acampamento da Ilha de Browsea,
Na Ilha do Governador.
||
Se ele é gaúcho, você do Amazonas,
Debaixo da lona são todos irmãos!
Qualquer cor ou classe, qualquer raça ou credo
Despertam bem cedo são todos irmãos
Fazendo a comida universitários,
peões e operários são todos irmãos
Nascido em palácio, nascido em favela
Lavando a panela, são todos irmãos
||
O Ajuri Nacional, Do Rio de Janeiro,
É o marco triunfal do ano escoteiro,
Comemoramos o centenário de Baden Powel o fundador,
E do escotismo o cinqüentenário,
Do acampamento da Ilha de Browsea,
Na Ilha do Governador




3ª Ajuri Nacional - 1977 - Foto de Moacir Starosta


O III Ajuri Nacional Escoteiro é realizado no Rio de Janeiro, dos dias 20 a 26 de julho de 1977, na Fazenda Rio Grande do Sr. Francis Hime, com cerca de 2.000 participantes e, simultaneamente fora realizado o I Indaba Nacional. Essa atividade comemorou os 70 anos do Escotismo Mundial e foi lançado um selo postal comemorativo.


Selo Postal

3° Ajuri Nacional 1977 - Tropa escoteira do GE Duque de Caxias 156°/SP
Infelizmente sobre essa atividade não existe muitas informações, pouco que consegui descobrir foi que a Delegação Gaúcha, compareceu ao acampamento com três ônibus lotados de chefes, escoteiros e seniores, e foi dirigida pelo Chefe José Machado, do 32°/RS Grupo Escoteiro Moacara.



4ª Ajuri Nacional - 1985 - Foto de Moacir Starosta
O IV Ajuri Nacional foi realizado em julho de 1985, na cidade de Cotia, interior de São Paulo, um dos maiores acampamentos já realizados até então, com a participação de 5.000 escoteiros, um dos grupos que coordenaram a atividade foi o Grupo Escoteiro Almirante Tamandaré. Esse ano foi comemorado o Ano Internacional da Juventude, lançado um selo postal pelos Correios do Brasil.


Selo Postal

4° Ajuri Nacional - 1985 - Fotos do GE Bororos 125°/SP

Canção do IV Ajuri Nacional - 1985
||
Ano Internacional da Juventude
Estamos todos em Cotia
Nos confraternizando
No nosso IV Ajuri
||
Com Espírito Escoteiro
Alegria e muita paz
Em meio às Rotas de Aventuras
||
Mostrando do que a gente é capaz
Vamos juntos
Sempre Alerta
A vida pro escoteiro nunca aperta
(BIS)



5ª Ajuri Nacional - 1990 - Foto de Moacir Starosta
O V Ajuri Nacional foi realizado em janeiro de 1990 pela primeira vez na região Sul, no Parque Osório, na cidade de Tramandaí, Rio Grande do Sul. Essa atividade mesmo sendo a mais recente das demais, não tem muitas informações sobre ela.


Asteamento e Sub-Campos do 5° Ajuri Nacional - Fotos Ffernando França
Só oito anos depois foi realizado um acampamento de cunho nacional que teve sua nomenclatura alterada do que já vinha sendo usado ultimamente, o AJURI Nacional Escoteiro que tinha como caráter de unir todos os escoteiros da modalidade básica, foi agora chamado de Jamboree Nacional e reúne todos os escoteiros de todas as modalidades. O Ajuri Nacional Escoteiros foi extinto?


O 1º Jamboree Nacional do Brasil foi realizado na cidade de Navegantes no estado de Santa Catarina - Brasil ocorreu de 25 a 31 de janeiro 1998, reunindo 2.400 Jovens e Escotistas do Ramos Escoteiro, Sênior e Pioneiro e Escotistas.

O 2° Jamboree Nacional do Brasil foi realizado na cidade de Caucaia – Ceará, mais exatamente na belíssima praia de Cumbuco que fica a 30 km de distancia da capital Fortaleza. O acampamento de seis dias começou no dia 13 a 18 de Julho de 2003, reunindo 2.600 participantes de todos os Estados do Brasil, exceto Acre, Roraima e Tocantins, além de uma patrulha de escoteiros da França e três representantes de Portugal.

O 3° Jamboree Nacional do Brasil foi sediado no centro de Brasília, para ser mais preciso no Parque da Cidade, nas datas de 16 a 21 de julho de 2006, contou com a presença de 2.000 participantes, entre jovens, equipe de organização, Equipe de Serviço (Staffs), educadores e convidados, e representantes da Itália e do Haiti.

O 4° Jamboree Nacional do Brasil realizado nos dias 11 a 17 de Janeiro de 2009, no Parque Tecnológico Itaipu (PTI), dentro da área da barragem e hidrelétrica Itaipu Binacional em Foz do Iguaçu, Paraná, reuniu cerca de 5.000 escoteiros vindos de todos os cantos do Brasil e também do Paraguai, Argentina, Chile, México, Portugal, Japão e EUA.



Ajuri Nacional Escoteiros do Mar.


Participantes do AJURI dos Escoteiros do Mar em 1928, na Fortaleza São João, noticiado pela revista ALERTA.
O Ajuri Nacional da modalidade do Mar mais antigo que se tem conhecimento foi realizado em 1928 na Fortaleza de São João, no bairro da Urca, Rio de Janeiro, reunindo escoteiros da região de Guanabara, conforme matéria publicada na Revista Escoteira "ALERTA", daquele mesmo ano.


Foto de Moacir Starosta
Em 1981 foi realizado o 1° Ajuri dos Escoteiros do Mar, desta vez mobilizando todo os escoteiros da modalidade do Brasil, então esse seria por sua vez o primeiro Ajuri da modalidade por assim dizer, como entendeu o organizador da atividade e também Coordenador Nacional dos Escoteiros do Mar o Comandante de Marinha Lizé Costa, então essa atividade foi realizado no Batalhão de Serviços do Centro de Instrução do Corpo de Fuzileiros Navais, Ilha do Governador, Rio de Janeiro - RJ com cerca de 300 participantes.


Foto de Moacir Starosta
O II Ajuri Nacional dos Escoteiros do Mar ocorreu de 23 de janeiro a 1º de fevereiro de 1986 no Colégio Naval de Angra dos Reis – RJ, com a presença de 532 participantes tendo 12 estados representados recebendo o Ministro da Marinha, Almirante Henrique Sabóia em revista dos Escoteiros do Mar.



Foto de Moacir Starosta
O III Ajuri Nacional dos Escoteiros do Mar aconteceu de 15 a 21 de julho de 1989 no Centro de Instrução e Adestramento do Corpo de Fuzileiros Navais, Ilha do Governador, Rio de Janeiro – RJ, com 300 participantes e 8 estados representados.




Foto de Moacir Starosta
O IV Ajuri Nacional dos Escoteiros do Mar aconteceu em 1991 na Base Naval do Rio de Janeiro, Ilha Mocanguê, Niterói –RJ, com 550 participantes instalados a bordo do NDD Ceará e NDD Rio de Janeiro quando comemorou os 70 anos de fundação da Federação Brasileira de Escoteiros do Mar - FBEM.




Foto Raoni Pinheiro
O V Ajuri Nacional dos Escoteiros do Mar ocorreu de 15 a 19 de janeiro de 1994 na Ilha do Pavão, Grêmio Náutico União, Porto Alegre – RS, tendo 400 participantes de 8 estados representados.

O VI Ajuri Nacional dos Escoteiros do Mar ocorreu de 3 a 7 de janeiro de 1996 na Escola Naval –RJ, com 390 participantes.
O VII Ajuri Nacional dos Escoteiros do Mar aconteceu em Julho de 1998 em Santos – SP, com 200 participantes de 9 estados representados.




Foto de Moacir Starosta
O VIII Ajuri Nacional dos Escoteiros do Mar aconteceu de 4 a 8 de janeiro de 2000 na Escola de Aprendizes de Marinheiros de Santa Catarina, Florianópolis – SC, com 250 participantes de 8 estados representados.




Foto de Moacir Starosta
O IX Ajuri Nacional dos Escoteiros do Mar ocorreu entre 15 a 19 de janeiro de 2002 na Base Naval de Aratu, vizinho a Salvador – BA, com 113 participantes de 9 estados representados(AL, ES, MT, PA, RJ, RS, SC, SP, BA). Além de atividades aquáticas na Ilha de Maré e na Praia de Inema, os participantes fizeram um passeio de escuna pela Baía de Todos os Santos, um city tour pelos pontos turísticos de Salvador, oficinas de Ikebana e Origami com a colaboração do Consulado do Japão, MicAjuri, Lual e outras.



Fotos Rafael Luiz Ferreira


O X Ajuri Nacional dos Escoteiros do Mar aconteceu de 27 de julho a 01 de agosto de 2010 na Esquadra Naval, Complexo de Mocanguê, Niterói - RJ, com 210 participantes de 9 estados representados (RS, SC, PR, SP, RJ, BA, RN, PA e AM), alojados a bordo do NDCC Garcia D'ávila na Ilha Mocanguê.

O X Ajuri Nacional dos Escoteiros do Mar- Ilha Mocanguê, NDCC Garcia D'Ávila.
A atividade teve pontos marcantes com o Grande Jogo de Técnicas Marinheiras realizada na Ilha da Boa Viagem em Niterói, a visita ao Museu dos Fuzileiros Navais e o Espaço Cultural da Marinha além do dia de competições na Escola Naval e a comemoração ao Centenário Mundial de fundação do Escotismo do Mar em 1909, e com sua consolidação além do Centenário da chegada do Encouraçado Minas Gerais, em 1910, trazendo o escotismo para o Brasil.


Ajuri Nacional Escoteiros do Ar
Antes de tudo, tenho que refutar essa parte da história ao saudoso e indescritível Chefe Jayme Janeiro Rodrigues, falecido em novembro de 1987, que foi um marco primordial ao movimento escoteiro e principalmente aos escoteiros do ar, seus esforços foram diretamente responsáveis pela grande aceitação que o movimento escoteiro no Brasil teve nos anos de ouro. Todos os datados foram retirados do Compêndio do Chefe Jayme Janeiro Rodrigues.

O I Ajuri Nacional da Modalidade do Ar foi organizado e constituído pelo chefe Janeiro e demais chefes da modalidade do Ar e autoridades da Aeronáutica, foi realizado em julho de 1963 na Base Aérea de Santos – localizado em Vicente de Carvalho no Guarujá-SP, contou com a participação de mais de 400 escoteiros de varias idades e aproximadamente 120 chefes e assistentes.

O chefe Janeiro foi novamente idealizador e teve a direção geral da atividade, juntamente com a UEB e autoridades da Aeronáutica do II Ajuri Nacional da Modalidade do Ar, este foi realizado na Base Aérea de Cumbica em outubro de 1978, tal atividade contou com a participação de aproximadamente 300 escoteiros do Ar de São Paulo, Santos, São Vicente, Guanabara, Belo Horizonte, Brasília, Santa Catarina, São José dos Campos e de Curitiba e 75 chefes e assistentes.

Nessa atividade tivemos como chefe de campo o Prof. Verdussem, como chefe de fogo de conselho o Ch. Adelk Piston. No acampamento foi medida varias destrezas tiveram varias provas, a primeira foi levada pela patrulha da Águia do 27°/SP GE Padre Anchieta, fundado em 16/08/1953, hoje fechado, sob a direção do chefe Antonio de Paula, na prova de aeromodelismo venceu a patrulha da Guanabara, nos jogos a patrulha da Bartolomeu de Gusmão, e também na disciplina venceu a pequenina patrulha da B.G. dos meninos Órfãos da Maçonaria.

A direção da CUPLA esteve sob a responsabilidade do chefe Comissário Regional Dr Pedreschi, Major Ruy Barbosa e chefe Ernesito de Mello da programação constou um vôo que alegrou muitos meninos que nunca antes havia voado, tudo sobe direção do chefe Jurandir. A visita ao museu na Aeronáutica no Ibirapuera também foi outra grande alegria da garotada, pois puderam entre outras coisas conhecer de perto a história do raid do “JAHU”.

Os Escoteiros assistiram aos festejos da semana da Asa na Base Aérea de São Paulo, vibraram com a Esquadrilha da Fumaça, com o salto em pára-quedas. Ali estava presente a Patrulha de Órfãos do Grupo Escoteiro Bartolomeu de Gusmão do “Lar da Criança Feliz” Grupo B.G. da Maçonaria, ou simplesmente Grupo Escoteiro do Lar tendo como diretores o chefe Jayme Janeiro Rodrigues e William S. Chahud.
III Ajuri do Ar - Brasilia outubro 1980 - Foto Fernando França
O III Ajuri Nacional da Modalidade do Ar foi realizado em outubro de 1980, no Parque Nacional em Brasília – DF foi organizado pelo Chefe Arnaldo Ribeiro C. Lima através do Grupo Escoteiro do Ar Salgado Filho, e com apoio da direção nacional de Brasília-DF, cujo chefe de Campo foi o Chefe Janeiro, houve a colaboração da Aeronáutica e do Exército na infra-estrutura. Estiveram presentes cerca de 250 escoteiros e 70 chefes e assistentes de diversos estados do Brasil.

Durante a Realização de cada Ajuri Nacional, era realizado após o Silencio Geral às chamadas Reuniões de todos os chefes da modalidade do Ar estando na presidência sempre o Nosso Lendário Chefe Janeiro, que alem de fazer comentários sobre o Ajuri também se colocava a disposição dos chefes para esclarecer diversos assuntos.



NOTA PESSOAL: Prezados amigos e irmãos escoteiros, colecionadores e simpatizantes, fiz esse artigo a pedido de amigos e em caráter de historicidade, pois precisamos nos basear em alusivos, quando se precisa, principalmente catalogar algo, ou mesmo uma coleção.

Peso desculpas desde já, se faltou aludir alguma fonte, textual ou de imagens, e deixo claro que não busco nenhum lucro com determinado artigo, tenha a intenção meramente de enriquecer a história do movimento escoteiro no Brasil, e estaria aberto para ressalvas e correção no texto.


FONTES BIBLIOGRÁFICAS:
  • O Tomo I – 1910–1924 Os primórdios do Escotismo do Brasil da história do Escotismo Brasileiro, de autoria do Almirante Bernard David Blower;
  • “Baden Powell - The two lives of a Hero" – 1916 de William Hillcourt;
  • Para ser Escoteiro de 1ª. Classe – 1963 - Francisco Floriano de Paula;
  • Compêndio Histórico, em Novembro de 2006 - Centenário de Nascimento Chefe. Jayme Janeiro Rodrigues, autor William Saghi Chahud;
  • Revista A VERDADE 1977 - Órgão Oficial da Maçonaria da Grande loja do estado de São Paulo, Editado pelo jornalista Luiz Francisco Guarinon;
  • CCME - Centro Cultural do Movimento Escoteiro;
  • UEB - União dos Escoteiros do Brasil;
  • UEB – Escoteiro do Mar – ‘História do Escotismo do Mar no Brasil’, Autor: Andre Torricelli F. da Rosa;
  • UEB/SP;
  • UEB/DF (web-site);
  • UEB/RS - 4° Distrito Escoteiro (web-site);
  • Grupo Escoteiro Carajás - 02°/SP;
  • Grupo Escoteiro Duque de Caxias – 156°/SP;
  • Grupo Escoteiro Moacara - 32°/RS;
  • Grupo Escoteiro Almirante Tamandaré - 46º/SP;
  • Imagens de Fernando França, Moacir Starosta, Rafael Luiz, Raoni Pinheiro, F64.

FONTES VIRTUAIS:


4 comentários:

RAFAEL 3.3 disse...

Em primeiro lugar, meu GRATO GRATÍSSIMO, por tanta informação interessante, gostei muito do texto, a maior parte das informações apresentadas aqui não eram do meu conhecimento. Entendo sua preocupação por querer apresentar as melhores informações possíveis para os apreciadores da memória escoteira. Mas tenha certeza do que foi gerado e divulgado aqui serve como uma excelente fonte de informações para os interessados, muito obrigado!!

Sempre Alerta para SERVIR Y

Raoni Pinheiro disse...

MUITO OBG RAFAEL, SEMPRE ESTAREI AQUI PARA SERVI AO MOVIMENTO ESCOTEIRO. E SEMPRE ESTAREI AQUI SEMPRE ALERTA PARA FAZER O MELHOR POSSIVEL E SERVIR.

Arnaldo Ribeiro disse...

O ALTISSIMO JÁ FAZ JUSTIÇA NA TERRA COM A DESTRA DO CRISTO:

(JR.33.2) – Assim diz o Senhor que faz estas cousas, o Senhor que as forma para as estabelecer (Senhor é o seu nome): (EX.3.14) – Eu sou o sábio que me enviou a vós outros, (SL.33.19) – para livrar-lhes a alma da morte, e no tempo da fome com conservar-lhes a vida: (MT.15.10)–Ouvi e entendei, (2PE.1.20) – sabendo primeiramente isto: Há meio século eu me tornei escravo da liberdade do meu próprio Ser em Cristo, empenhado em esquadrinhar o Tratado Bíblico, no afã de me preparar como Guia dos Guias espirituais, para poder conduzir o povo de Deus à terra prometida. Tenho testado as almas nessa fé, e muitas terão dificuldades em alcançar a relevância dessa obra, dado a sua complexidade aliada à descrença reinante nessa terra pagã e sem futuro. Mas Deus é testemunho de que é com a mais pura das intenções que exorto o estudo acurado da nossa bibliogênese; porque sei que essa humanidade infiel e pervertida, já não poderá subsistir sem o conhecimento que Jesus nos passa através dela.
(LV.17.12) – Portanto, tenho dito aos filhos de Israel: (SL.58.11) – Na verdade, há recompensa para o justo, há um Deus, com efeito, que julga na terra; pois é o Espírito Santo que revela ao mundo o ex-segredo guardado nas 98 letras e 7 sinais dessa parábola:

(NM.16.28) – ENTÃO, DISSE MOISÉS: NISTO CONHECEREIS QUE O SENHOR ME ENVIOU A REALIZAR TODAS ESTAS OBRAS, QUE NÃO PROCEDEM DE MIM MESMO:

(MC.14.27) – Todos vós vos escandalizareis porque está escrito:

E CRISTO DIZ AOS HOMENS CONSCIENTES: ESTÃO VENDO QUE ESSE SER É MEU ESPÍRITO EM ARNALDO RIBEIRO, NAS MÃOS DO HOMEM QUE AMA.

(GL.4.16) – Tornei-me, porventura, vosso inimigo, por vos dizer a verdade? (JÓ.19.4) – Embora haja eu, na verdade, errado, comigo ficará o meu erro. (1CO.4.3) – Todavia, a mim mui pouco se me dá de ser julgado por vós ou por tribunal humano, nem eu julgo a mim mesmo; (1CO.4.3) – porque se julgássemos a nós mesmos, não seriamos julgados. (2CO.5.10) – Importa que compareçamos perante o tribunal de Cristo, para que cada um receba segundo o bem ou o mal que tiver feito por meio do corpo; (LS.1.15) – porque a justiça é perpetua e imortal: (MT.10.18) – Não temais os que matam o corpo e não podem matar a alma; temei antes Aquele que pode fazer perecer no inferno tanto a alma como o corpo: (HB.10.30) – Óra, nós conhecemos Aquele que disse: A mim pertence a vingança, Eu retribuirei: (IS.46.13) – Faço chegar a minha Justiça e não está longe: (MT.5.6) – Bem-aventurados os que tem fome e sede de justiça; porque serão fartos.

Henrique Luiz disse...

Realmente uma leitura de grande aprendizado, farei bom uso.
Henrique Alberto Silveira Luiz.
Promessa Escoteiro em 28 de abril de 1963 / 52º AEP / Açores
Ex-Chefe do 35º GE/RJ Grupo Escoteiro João XXIII Petrópolis RJ
Ex-Chefe (fundador) do 60º GE/RJ Grupo Escoteiro Oswaldo Cruz Petrópolis RJ
Atualmente Chefe Fundador do 58º GE/RJ Grupo Escoteiro Visconde de Mauá, em Guia de Pacobaíba 5º Distrito de Magé RJ

Postar um comentário

DEIXEM SEU COMENTÁRIO! POR FAVOR SEJAM EDUCADOS!